cartola fc 2017

Ser bom no Cartola FC é sorte ou habilidade? Parte I

Será que ser bom no Cartola FC é na verdade mais sorte do que habilidade, ou o contrário? Vamos tentar responder essa 

Lembro da primeira vez que fui jogar Cartola, eu não sabia muito sobre futebol, mas sabia que conseguiria me dar bem no Cartola, ou pelo menos, melhor que a média com certeza.

Mesmo não sendo um aficionado por matemática, sabia que por trás de um jogo como o Cartola, o que importa são os números.

Avançando um pouco no tempo, lá estava eu, junto com Roberval Coelho do Cartoleiro Fanático, criando o primeiro curso sobre Cartola FC do Brasil e não por acaso, ajudamos milhares de pessoas a melhorarem muito seus resultados no jogo.

Nossa base para tudo isso?

Analise de números e estatísticas.

Não por acaso também, a seção mais popular do nosso portal, é o “Raio X da Rodada”, que mostra as principais estatísticas da rodada para ajudar cartoleiros a escalarem seus times.

Mas afinal, porque esses números importam tanto e onde está a habilidade?

Vamos usar um exemplo fácil para você conseguir entender a habilidade por trás do Cartola FC e outros fantasy games:

Suponha que você precise escalar um atacante para a próxima rodada do Cartola e para isso, precisa decidir se compra 1 atacante que tem uma média de pontos por jogo de 7 ou se pega um outro com uma média de 1.

É um exemplo extremo é claro, mas ele evidencia o começo do papel da habilidade nesse campo.

Enquanto essa decisão é fácil, quanto mais você entra a fundo nas estatísticas sobre jogadores e jogos, mais pode alavancar sua habilidade e conhecimento ao seu favor.

Digamos por exemplo, que você esta ponderando escalar dois atacantes com medias parecidas e que jogam seu próximo jogo em casa. Nesse momento, você passaria a analisar coisas como:

Mapas de calor: onde esses jogadores costumam jogar? Onde costumam fazer gol? Em que tipo de oportunidades podem marcar gol? O time adversário é fraco nas áreas em que esse jogador é forte?

Histórico: esse jogador vem em fase boa? Costuma marcar gols contra esse time ou esses jogadores? Costuma pontuar por outras métricas como assistências ou roubadas de bola? O outro time costuma perder muitas bolas? O jogador está 100% para essa partida? Ele tem mais chances de jogar o jogo inteiro e não ser substituído? O outro time tem motivos suficientes para jogar 100% ou está poupando alguns jogadores?

Essas são só algumas das milhares perguntas que um jogador de fantasy pode fazer antes de escalar seu time…

Imagine a diferença na pontuação ao longo prazo, de um jogador de fantasy que se faz perguntas como essa, e estuda o jogo, em relação a um outro jogador que não faz nada disso.

Depois de algumas rodadas isso seria muito evidente… Ao final do campeonato? Faria TODA a diferença.

No geral, quem faz mais perguntas e estuda mais, também tem mais chances de ser melhor.

O problema é que como o jogo ainda conta indispensavelmente de eventos que acontecem fora dele mesmo, ou seja, no campo de futebol, é comum que resultados variem bastante.

Numa rodada um bom jogador de fantasy pode fazer tudo certo e mesmo assim ficar com uma pontuação medíocre. Todavia, quanto mais ele joga, mais ele irá ficar perto de sua pontuação média.

O problema, é que para fazer isso no Cartola FC, a pessoa tem de jogar a temporada inteira, tendo apenas 38 oportunidades para mostrar o que realmente sabe.

Essa não é a realidade para fantasy games dos EUA, em que jogadores podem entrar múltiplas vezes no mesmo torneio, não só aumentando suas chances de ganhar, mas também a sua vantagem em relação a jogadores piores.

Fantasy games como o Draftkings ou o Fanduel, distribuem premiações milionárias toda rodada, o que evidencia outras duas grandes diferenças entre o nosso Cartola FC e os fantasys gringos.

Nesses, os jogadores competem por torneios que duram apenas uma rodada, e que contam com uma taxa de participação. Essa taxa de participação funciona para tirar curiosos e deixar que apenas quem esteja disposta a gastar dinheiro, possa ganhar uma soma ainda maior.

Lá por exemplo, é comum ocorrer torneios com entradas de $20 e premiações de $25.000.

Sim, você não está lendo isso errado.

E por esse motivo, os fantasy games tem explodido nos EUA. Jogos divertidos que amantes do esporte competem entre si, trazendo emoção e dinheiro para a mesa.

Mas porque estou falando isso? 

Porque no mesmo tempo em que Cartoleiros estão cada vez mais se aprimorando e se tornando habilidosos, ainda estamos a anos luz dos jogadores de fantasy games dos EUA.

Como lá a competição vale dinheiro e acontece por rodada e múltiplas entradas, há vários jogadores que se profissionalizaram, e tornam o fantasy game seu ganha pão milionário.

Esses jogadores utilizam de tabelas elaboradas de excel, softwares e habilidades incríveis para se tornarem cada vez melhores e enquanto esse profissionalismo não chega no Brasil, o que você tem que colocar na sua cabeça é que para ser um bom jogador de fantasy games, você tem de estudar.

Se aprofundar em números e estatísticas cada vez mais.

É claro que simplesmente saber tudo sobre futebol já pode te levar longe e bem acima da média, mas com certeza, não faz nada mal você começar a usar tabelas de excel e conhecimento em números.

Se prepare, esse ano vamos nos profissionalizar ainda mais, e tentar aprender com os profissionais dos EUA, como que se faz para ser tornar um jogador de fantasy excepcional.

 

Alguns Artigos para virar um melhor jogador de Cartola FC em 2017:

Guia Definitivo de como jogar Cartola FC

6 Dicas do Campeão de 2015

 

Como brilhar no Cartola FC

7 Comentários

  1. Acho que tem que ter habilidade, não vou negar que o fator sorte também não ajuda, porque contamos com ela durante varias situações. Aprendi muito com as dicas do Roberval e desenvolvi muito no cartola FC, e venci varias ligas no ano passado. As estatísticas e métodos do cartoleiro fanático são indispensáveis no cartola FC.

  2. Acredito que seja mais sorte! Devido as falcatruas existente no submundo do futebol, pois tem muito dinheiro envolvido, o que leva a corrupção dos envolvidos. Juiz dá cartão sem necessidade, jogador faz corpo mole, dirigentes não escalam os que merecem, e sim o que os empresários bancam. E nós torcedores sofrendo com tudo isso. A gente faz de tudo para ter cartoletas para comprar as estrelas e elas param de brilhar.

  3. Com certeza muito mais habilidade, acompanhamento e noção do que sorte.

    A sorte é mitar 1 em cada 10 rodadas. A habilidade é o que traz a regularidade (60 pontos) e pelo menos 3 mitadas a cada 10 rodadas.

    Esse ano vai ser bom demais e ao contrário do ano passado o patrimonio vai fazer toda diferença depois das 10 primeiras rodadas.

    Vamo que FSB, juntos mitaremos nesse ano e vencermos nossas ligas privadas.

Tem um comentário ? Desembuche!